O Vinil

Grata surpresa!   

 

Para quem achava que o disco de vinil estava obsoleto, as vendagens nos EUA em 2008 foram uma grande surpresa. A indústria dos LPs cresceu 89% em relação à2007.Apenas em território norte-americano foram vendidos 1,8 milhão de discos devinil. Só a reprensagem do àlbum "Dark Side of The Moon" do Pink Floyd vendeu 10.200 unidades e a reedição de "Abbey Road" dos Beatles vendeu 16.500 peças.

O Radiohead também vendeu 25.800 cópias do àlbum "In Rainbows". Já na Inglaterra, as gravadoras nunca deixaram o vinil morrer, principalmente pela dificuldade em piratea-lo e pela qualidade sonora superior à da música digital (CD). Artistas de renome do cenário nacional como Caetano Veloso e Lenine voltaram a lançar seus trabalhos em LPs.

 Por Ricardo Machado

Disco de vinil é cultura e quem é apaixonado por ele não troca jamais. Longa vida ao Vinil!

 

Assim, as grandes livrarias do Brasil começaram a investir novamente nos discos de vinil. Algumas como a Livraria Cultura já tem uma sessão para os discos importados em suas lojas e vendem também por meio do seu site.

Bob Ludwig, famoso engenheiro de masterização que já trabalhou com o "Nirvana" explicou que a maior razão da volta do vinil é a desilusão com o som do CD e do MP3: "Com o vinil, a amplitude do som é mais precisa e mais quente. O MP3, por exemplo, pega 90% da música e joga fora.

Na medida que o CD foi substituído por uma mídia ainda mais prática e compacta para se ouvir no dia-a-dia, que é o MP3: os fãs de música passaram a buscar o vinil, que vem com fotos grandes e melhor qualidade de som. O CD não é a melhor mídia para quem quer ouvir um bom som: não tem o charme do bolachão, não dá o prazer de poder manipular em suas mãos o disco, colocar a agulha na faixa e assim degustar a música, nem de curtir as capas e saber mais informações nos encartes.